domingo, 7 de setembro de 2014

Z



Z VOL02.N01
07-2014, Laukatu

O mercado espanhol da banda desenhada tem uma tradição sui generis que é a da distribuição gratuita de pequenas revistas que, apesar dos seus indubitáveis fins comerciais, permitem disfrutarmos de informação bibliográfica, entrevistas, análises ou estudos. Num recente salto a Espanha, lá trouxe um apanhado recente do que se anda a distribuir e não posso ficar indiferente ao facto de, mesmo em clima recessivo, o mercado local continuar a apresenatr um fôlego de fazer injeva. Desta vez deparei-me com "Z", uma edição da Laukatu sob a forma de uma revista exclusiva para a Associação de Livrarias Zona Cómic. Informação telegráfica, análises de uma página não muito difusas e por lá encontro uma referência a José Carlos Fernandes, autor português que viu mais uma das suas obras traduzidas para castelhano, desta vez o segundo tomo de "A Pior Banda do Mundo", também recentemente compilada por estas bandas sob tutela da Devir. Parece que um dos nossos autores contemporâneos favoritos decidiu mesmo abandonar a BD, o que nos dá que pensar pois nem se tratará certamente de alguém que se possa queixar de falta de oportunidade de manutenção de um ritmo muito razoável no campo da edição.



THE FALL



THE FALL
Ed Brubaker/Jason Lutes
2001, Planeta de Agostini

HERÓIS



HERÓIS
Data da Publicação: 00 [25-12-1995] a 06 [26-02-1996]
Publicação Semanal / Dimensões: 19 x 25,5 cm
Preço: 100$00 / 32 Páginas / Cores
Propriedade: Editora Abril Morumbi


KEKO

Sob o pseudónimo de Keko, José Antonio Godoy é um desenhador espanhol nascido em Madrid em 1963. Depois de estudar na Escola de Artes e Ofícios da sua cidade natal, iniciou o seu já longo percurso na revista Madriz. Desde cedo chamou a atenção pelo rigor do corte classicista da sua narrativa e pelo papel importante que dava á iluminação nas vinhetas desenhadas. Com o desaparecimento da Madriz, inicia colaborações com diversos argumentistas como Mique Beltran [Livingston contra Fumake] ou Ramón de España [Brendan Beckett: El Amor Duele]. Para além de participar em revistas colectivas alternativas, publica também trabalhos a solo como "La Isla de los Perros" [1986] ou, entre vários outros, "¡Voraz!" [1991]. Posteriormente, dedica-se durante um largo período de tempo à ilustração. Em 2002 lança um dos mais importantes álbuns de sempre da História da BD espanhola, "4 Botas" que, não só foi considerado na edição de 2003 do Saló del Cómic de Barcelona como o melhor trabalho editado como teve também direito a edição no mercado francês.



REVISTAS >

[1984] Madriz [Madrid] 02/10/13/14/15/16/17/18/20/22/25/27/32/33
[1985] Metal Hurlant [Nueva Frontera] 36
[1988] Imajen de Sevilla [Ayuntamiento de Sevilla] 02
[1996] Nosotros Somos Los Muerto] [Monograma Ediciones] 02/03
[1998] Pasaje Al Planeta Clandestino [Ediciones del 4 de Agosto] 01
[2001] Sònic Cómix [Inreves Edicions] 01
[2003] Tos [Ediciones Sinsentido]  04
[2011] Magazine [Unidad Editorial]: Número 595

ÁLBUNS >

[1986] La Pista de los Perros [Mario Ayuso Editor]
[1987] Museo Vivo [Colectivo] [Insituto de la Juventud Madrid]
[1987] Livingstone Contra Fumake [Complot]
[1989] Todo Al Negro [La General Ediciones]
[1991] Pop Español [Colectivo] [Ediciones Casset]
[1991] Voraz! [La General Ediciones]
[1997] El Amor Duele [Ediciones Glénat]
[1998] Perros Y Pistolas [Camaleón Ediciones]
[2002] 4 Botas [Ediciones de Ponent]
[2005] 11-M. Once Miradas [Colectivo] [Ediciones de Ponent]
[2006] La Casa del Muerto [Ediciones de Ponent]
[2008] Viaje Con Nosotros! [Colectivo] [Ediciones Sinsentido]
[2008] Bob Deler [Exit Publicaciones]
[2009] Almanaque Ilustrado del Fin del Mundo [Colectivo] [Ediciones de Ponent]
[2011] La Protectora [Ediciones de Ponent]
[2011] Almanaque Comestible [Colectivo] [Ediciones de Ponent]
[2012] Lo Condor Pasa: Nuevas Hazañas Bélicas 13 [Ediciones Glénat]
[2012] Ojos Que Ven [Ediciones de Ponent]

SOBRE >

[1993] Mondo Brutto [Proun Ubik]
[2006] Keko: Las Liñeas de la Sombra [Diputación de Sevilla]

sábado, 6 de setembro de 2014

LAERTE > ENTREVISTA







in "Público 29-06-2014"
Texto: Isabel Coutinho / Fotografia: Miguel Manso

THE SIMPSONS COMICS 05



THE SIMPSONS COMICS 05
Bongo Comics / Goody / Setembro 2014

De forma totalmente despretenciosa, surgiu nas bancas mais um número da The Simpsons Comics. Nos dias que correm neste país deprimido e triste, uma tiragem de 15 mil exemplares poderá parecer demagógica, mas a revista lá vai trilhando o seu caminho sem que quase ninguém dê por isso. A publicação portuguesa tem respeitado a cronologia da edição original, juntando em cada revista, dois dos comics lançados nos EUA. O facto de, neste número, surgir uma espécie de correio do leitor com uma introdução de real interesse, acrescenta valor.

domingo, 31 de agosto de 2014

SERGE CLERC







A música e mais particularmente o Rock acompanham Serge Clerc desde os seus primeiros passos. Fonte de inspiração, o Rock foi o mais importante catalizador do seu trabalho que é fortemente revelador de uma época, das suas modas, dos seus ritmos ou dos seus excessos, oferecendo uma certa perspectiva de um mundo que Serge Clerc foi capaz de capturar através de um lápis tinta da china e transmitir aos seus contemporâneos. Pranchas e desenhos avulsos realizados sobretudo para publicação na imprensa especializada, bem como capas de discos ou cartazes de promoção de concertos constituirão o miolo daquilo que se espera a edição do ano, prefaciada por Philippe Manoeuvre e que reúne 400 ilustrações desenhadas por Serge Clerc, entre os quais alguns inéditos. Imprescindível a todos os amantes da linha clara, da new wave e póst-punk, das velhas leituras da Rock et Folk. A edição, sob chancela da cada vez mais incontornável Dupuis, ocorrerá em 14 de Novembro de 2014.

EM ABERTURA

Após uma longa fase distante da Banda Desenhada, tenho sentido, nos ultimos tempos, uma vontade de reaproximação selectiva ao seu universo. O tempo que me sobra não permitirá abordagens exaustivas o que, neste actual mundo, nem interessará a grande gente. Foi esse um dos factores que me levou ao cansaço acumulado noutros trabalhos em que participo na blogosfera e que, para já, se manterão num período de hibernação dolente. Sobre álbuns, revistas, fanzines ou novelas gráficas, optarei por análises sintéticas, do tipo [ficha técnica-sinópse-análise]. Sobre eventos, priveligiar-se-ão imagens. Sobre antiguidades, o que apetecer. Não haverá certamente uma regra auto-imposta, mas serão estas as linhas mestras que delimitarão o que daqui sair. Li, algures, uma opinião de que a Banda Desenhada definhará até ao seu limite porque - mais do que a tentativa de explicação preguiçosa acerca das playstations, do consumo à velocidade da luz, da informação não passível de qualquer filtragem - a classe média está a desaparecer. E estou de acordo. É um fenómeno evidente e indesmentível que ocorre desde há décadas! Quem lia banda desenhada eram os jovens da pequena e média burguesia que, com uma mísera semanada e uma mão cheia de sonhos, faziam mover as máquinas editoriais capitalistas. Hoje isso acabou ou tem tendência para acabar e quem consome BD são os adultos, os jovens e crianças de outrora. Quem não perceber isto, não entende nada do que se está a passar em nosso redor. Ah! Não me peçam para escrever sobre coisas que possa considerar como apenas consumidoras de tempo. De mangás só gostei de Akira. De Walt Disney apenas tenho reminiscências nostálgicas da minha infância. Estou a ficar velho. Não posso perder tempo.